Ow! Book ♥
Thaís?
Parceiros
Comente!
Créditos
Resenhas
Welcome.
O mundo dos livros em um só lugar

Hello. Você não se enganou de endereço não! O Ow!Book www.owbook.blogspot.com se encontra em mudanças. Template temporário!

NUNCA copie/roube/falsifique qualquer coisa daqui. Tudo que está sendo postado aqui é de minha autoria. Caso pegue algo, por favor deixar meus devidos créditos.
O OW é destinado a resenhas,indicações e divulgações de livros. Para contatos: owbook@hotmail.com . ENJOY!

Visitantes on line:
Ow!Book: renovação temporária e Resenha do livro A morte do cozinheiro
segunda-feira, 4 de julho de 2011 @ 12:33


Hey pessoas! Voltei a ativa! *-* Quero deixar bastante claro que esse template vem com desfalques. Pois é... Nada de enquetes, caixa de pesquisas ou até mesmo seguidores por enquanto.
Ah mas os comentários ainda estão prestando! É só ir abaixo da postagem e clicar no (comentários) para abrir o link da postagem e comentário.
Mas de novo: gente esse template é temporário! Vamos fingir que vocês estão no... tumblr - isso! - do blog.
Ah! E para ver postagens antigas, é só ir aqui ao lado onde tem escrito Archives. Lá vai abrir os arquivos dos meses passados do blog.


Como se não bastasse esse período todo sem postagens, eu vim logo abrir as resenhas (uhu) do mês. Vamos começar pela resenha do livro A morte do cozinheiro.

Estrelas: ★★ - Muito bom
Do original: livro nacional
Sinopse: É verdade, eu matei o cozinheiro. Em momento algum deste livro negarei que matei o sórdido cozinheiro com minhas próprias mãos de escrever versos. Havia motivo claro em saciar-se com a sua morte, morte de quem por carne e gozo objetou-se ao incomensurável amor que me tornava tão puro. Eu estripei-o com suas facas imundas de trabalho banal, e escalpelei por mimo infantil, de criança brincalhona, ao ver os índios e escalpes na TV. Matei o demônio com noventa facadas, cultivando um novo demônio sanguinário em mim, portanto não negarei ter feito a coisa mais maravilhosa que eu poderia fazer por minha inconsequência gloriosa naquele momento: Eu matei o cozinheiro..


"Raras serão as histórias, muitas serão as lendas"
E é com essas palavras que não me saíram da mente desde que li, que venho abrir essa resenha.

Primeiro quero agradecer ao Selo brasileiro pela oportunidade nesse book tour.

Eu tenho que parar com as resenhas repetitivas dos livros do qual me encanto. Tudo é a mesma coisa: falando que é surpreendente, que eu recomendo... Enfim. Acabou! Sério.
O porquê dessa mudança? Porque simplesmente me faltam palavras para tal livro.

A subjetividade, as palavras metafóricas, o próprio enrendo... E isso tudo em apenas 80 (sim caro leitor, você leu certíssimo) páginas. Ah e detalhe: o livro é muitíssimo pequeno, digo isso pelo tamanho mesmo.

Eu estou felicíssima por ler nesses últimos tempos livros bons de autores brasileiros. A minha última resenha de livro nacional foi a do livro Lázarus da qual me foi uma surpresa imensamente boa. Já com esse livro de Allan não foi surpresa nenhuma porque já esperava que seria um ótimo livro.

A morte do cozinheiro veio dividido, mais especificamente que os outros livros, em 3 partes fundamentais: introdução, desenvolvimento e conclusão.

Na introdução vemos o amargor do personagem Luiz em relação ao infeliz do cozinheiro que "roubou" sua namorada. Vemos a aflição, o desespero do jornalista aspirante a escritor e o principal: o ódio.

No desenvolvimento começamos a saber como tudo começou, a estória, como o término do namoro aconteceu, como ela foi para o cozinheiro...
E é aí que começa as reviravoltas na estória. Como se não bastasse a pressão e seus sentimentos à flor da pele, ele recebe telefonemas misteriosos dizendo que o bendito cozinheiro quer matar sua amada.
E qual é a solução de acabar com esse ódio e ameaça? Sim, matar o cozinheiro do jeito que ele deve: estripado.

A conclusão não posso dizer nada mais que CHOCANTE.

É engraçado que mesmo sabendo do destino do cozinheiro, o livro nem por isso se torna menos intrigante. O final é esplêndido e dá um "q" de quero mais.

A literatura brasileira é tudo menos fraca. E é justamente o que esse livro confirma.
0 Comentários

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial